segunda-feira, 3 de maio de 2010

Presença

Não almoçaste comigo, mas senti-te ao meu lado o tempo todo.

Segui sozinho no carro, embora te tenha dado a mão do início ao fim tal como nos habituamos.

Deitei-me nos lençóis, azuis e vazios, e não dispensei dar-te o teu beijo de boa noite.

Lá longe, lá longe, dormiste aconchegada nos meus braços.

De manhã, além do sol da cidade distante daqui, dei-te eu também os bons dias.

E é assim, mesmo não estando, que tu estás. Sorrindo. Fazes-me muita falta, e a tua presença faz-me muito bem.

4 comentários:

Daniel Silva (Lobinho) disse...

É um prazer ler este pedaço. É uma belíssima prova de amor e, como tal, repleta de sentido. E poética. Está linda.

Um abraço e... parabéns :) [também pela conquista, obviamente... ]

TERESA SANTOS disse...

O Lobinho tem toda a razão, o teu texto constitui "uma belissima prova de amor". Mas, Gatito, tens que aprender, sem angústias, sem neuras, a ficar sozinho, que é isso?!
Mas pronto, a Gatita faz falta, e o resto "é conversa"...
Abraço.

mf disse...

http://www.youtube.com/watch?v=dLhDQ6V4sVg

Sininho disse...

que fofo, a sério. ficam-te bem estas frases, principalmente porque são sentidas.
bj