quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Regresso




As viagens têm sempre o condão de me mostrar que tudo normalmente dá certo mesmo quando estão cheias de oportunidades de dar errado. São sempre uma lição em contrariar a ansiedade e os piores receios.


Arranjamos sempre maneira de encontrar o caminho de ida e de volta.


Perdemo-nos em lugares desconhecidos e encontramo-nos de novo.


Não falamos a língua local, mas há sempre um jeito de nos fazermos entender.


Quando estamos atrapalhados pedimos ajuda, e quase sempre as pessoas são simpáticas e ainda mais prestáveis do que o necessário.


Experimentamos comida que nem sabemos o que é, e nem por isso adoecemos (eu experimento tudo!).


Estamos rodeados de hábitos diferentes dos nossos e rapidamente nos moldamos.


Vemos coisas diferentes e dizemos "Olha que bonito!" ou "Está muito bem pensado!".


Uma mala pequena de roupa é suficiente porque na verdade o tempo nunca varia tanto assim nem ninguém entorna um café em cima de nós todos os dias.


Quando voltamos vemos que o mundo por cá não parou de girar lá por termos estados ausentes uns tempos.


Sim, há gente que gosta de nos ver de novo.


Mas, é claro, "sobreviver" a uma viagem não é um feito tão grande assim, especialmente com um cartão VISA no bolso, n'é?!?


;)

14 comentários:

A Senhora disse...

Mas toda viagem, além de trazer o cartão VISA de volta e seu dono, traz também um mundão de histórias! Estas, não há cartão que pague! ;)

Bom retorno, menino!

R. disse...

@A Senhora:

Pois, esta foi tão curtinha que não trouxe muitas, não...

R.

Elisa no blog disse...

Também como de tudo em viagens.
Me sinto segura com o cartão VISA.
Procuro aprender um pouco da língua local quando viajo. Aprendi tailandês, mas já esqueci.
Quando volto de viagens, sinto que minha percepção mudou de certa forma.
bj

R. disse...

@Elisa:

Eu também procuro aprender um pouco da língua local. Desta vez foi tão curto e tão em cima da hora que não deu para aprender nada. E, de resto, a maior parte das vezes acabo esquecendo as poucas palavras que aprendi.

Volte sempre.
Arigato gozaimasu! (esta eu ainda me lembro... :)

R.

TERESA SANTOS disse...

Olá Gatito,

Que bom ver-te de volta, ainda para mais com esse "ar" prazenteiro, feliz!
Não, Amigo, aquelas comidas estranhissimas nem pensar! Agora conhecer novas pessoas, maneiras de ser e de estar, isso sim, é enriquecedor e interessante.
E com o cartãozito VISA no bolso, o bem estar sobe exponencialmente...
E como é que estamos de ideias? Venham elas!

Daniel Silva (Lobinho) disse...

No plano do pensamento tudo é denso; no plano da acção e do concreto, tudo se desfaz.

É bom estares de volta, mesmo que apenas virtual para alguns :)

abraço

mf disse...

Ó p'ra ti de volta ao castelo... Agora venham de lá essas histórias! ;)

Marina disse...

É sempre reconfortante saber que temos alguem à nossa espera!

A menininha disse...

Viajar é tudo de bom, mas voltar pra casa não tem preço!!!!

beijos

R. disse...

@TERESA SANTOS:

As comidas estranhíssimas são a parte melhor! ;) Apontar para a figura e... seja o que Deus quiser!

Para mim, o VISA é o meu "cinto de segurança" caso as coisas corram mal. Fazer compras, para mim, não é diversão, é tortura. ;)

R.

R. disse...

@Daniel Silva:

No plano do pensamento antecipam-se todos os acontecimentos possíveis. No plano da acção e do concreto jogamos apenas as cartas que nos aparecem. :)

R.

R. disse...

@mf:

De volta ao Castelo e já com árvore de Natal e tudo. :) Tenho obrigatoriamente de arranjar um presépio. :)

R.

R. disse...

@Marina:

É verdade, sim. Depois de uns dias cansativos soube bem o miminho de dormir uma noite em casa dos pais. Teria sido mais tristonho voltar de imediato para o Castelo vazio.

R.

R. disse...

@A menininha:

Sabe que tem toda a razão? O nosso espaço nunca deixa de ser o nosso espaço, e vaoltar a ele tem sempre um paladar especial. :)

R.