segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Aniversário




-- Sabes que dia é hoje? - disse ela, enquanto olhava em redor à procura de um pano.


-- Hoje? Hoje é sexta. - respondeu o marido, meio desconfiado, meio surpreso pela pergunta.


-- E que mais? - continuou, limpando o balcão vermelho com cuidado.


-- Então... deixa cá ver... é 12 de Junho... - respondeu o homem de cinquenta e muitos anos, com o pouco cabelo que restava já grisalho, escapando-lhe o alcance da questão.


-- Então o senhor hoje não faz anos de casado?!? - perguntou a mulher, trocista.


Eu não pude deixar de ouvir esta conversa, apesar do esforço em me concentrar no meu café e na leitura do jornal. Aquele homem que tinha ido buscar a mulher no fim do dia de trabalho estava a ficar em apuros, queria-me parecer.


-- 12 de Junho! - exclamou ele - Pois é... Ora deixa cá ver...


Começou a fazer contas de cabeça, revirando os olhos azuis para cima, espetando os dedos da mão esquerda um a um à medida que contabilizava o tempo.


-- Ora... vinte... trinta... trinta e sete anos!


-- Pois, são trinta e sete anos, são. - confirmou ela, enquanto pegava na casaco e na carteira castanha, aprontando-se para sair.


O marido fitou a mulher por uns segundos com os olhos semi-cerrados, abanando a cabeça para cima e para baixo quase imperceptivelmente. Nisto todo o seu rosto abriu-se num sorriso, dos olhos pequeninos e brilhantes ao bigodão farfalhudo.


-- Trinta e sete anos... - disse em voz lenta e sonhadora - Ó mulher! - exclamou com genuína satisfação - parece que foi ontem...


Ela sorriu.


Se aquele homem estava em apuros, esses terminaram naquele momento, estou certo.

14 comentários:

mfc disse...

Acho que ele não se vai esquecer mais... eheheheheheh!!!!

mf disse...

Pois... Há homens que sabem o que dizer no momento certo... :)

A Senhora disse...

E depois de eu assistir "Up" este diálogo ficou lindo demais! :)

Se eu não estivesse assistido, teria me lembrado quando eu me esqueci do aniversario de casamento, assim como andré. Quem nos lembrou foi minha sogra, no final do dia. :))

Poxa, e ainda assim o seu diálogo ficou lindo demais! :)

beijinhos, menino

R. disse...

@mfc:

Vai, concerteza que vai. Não me acredito que tenha sido a primeira vez em 37 anos... ;)

R.

R. disse...

@mf:

Olha que não me parece que tenha havido sequer uma centelha de manha naquelas palavras... ;)

R.

R. disse...

@A Senhora:

Em se esquecendo os dois não há lugar a reclamação! ;)

O filme "Up!" eu não vi, mas vi esta cena do casal ao vivo e a cores. Se o diálogo foi bonito a eles se deveu, não a mim. :)

Beijo,

R.

A Senhora disse...

Você soube transcresve-lo!

R. disse...

@A Senhora:

Ao menos isso. :) E sempre deu para descolar um pouco do monólogo que tem pautado os textos.

R.

mf disse...

Eu também não acho que haja manha. Por isso é que me parece um caso raro! ;)

Sininho disse...

epá, será que sou gaijo e não sei(bem, mas se for gaijo, sou terminantemente gay)??!, é que não ligo nadinha a datas deste genero e para falar a verdade, de genero nenhum... bemm..., lgo às datas dos feriados. mas que seca, uma prendinha por aniversario, chega a uma altura que já não se sabe o que dar..., é que isto da originalidade também tem um limite, não?!
jinhos

R. disse...

@mf:

Muito raro. Enternecedor mesmo. :)

R.

R. disse...

@Sininho:

Nem todos temos que gostar das mesmas coisas. Mas já viste que a prenda que a senhora recebeu naquele dia jamais poderia ser comprada e posta dentro de um embrulho?

R.

Andre Martin disse...

rsrsr... Ah, se todos os problemas parecidos fossem resolvidos com uma simples frase! Mas o velhinho saiu-se muito bem, não sei se por acaso ou de propósito! A história é boa!

No Brasil, 12 de Junho é do Dia dos Namorados (que em muitas outras partes se comemora no dia de Valentine's Day, em vez de na véspera de Santo Antônio, o santo casamenteiro)

R. disse...

@Andre Martin:

Pois foi, saiu-se uma maravilha!
A data da história é inventada, mas, ao que parece, é uma coincidência feliz. E agora não tem desculpa para se esquecer do Dia dos Namorados que, ao que parece, se lembra tão bem... rsrsrs...

R.